quarta-feira, 16 de julho de 2008

Arnaldo e Bárbara


Arnaldo e Bárbara, "eu e ela nascemos um para o outro", é o que a música que ele fez pra ela dizia. "O meu coração é dele", por onde passavam surgía passarinhos pra cantar vosso caminho, como placas de indicação pra dizer que tudo está indo bem. Ele pagava o cinema e ela a pipoca, ele ligava e ela desligava por último. A letra do nome dela vinha seguida do dele, nas férias passavam pela praia à noite correndo como fugitivos da polícia, á procura de um canto deserto pra se tornar um cenário do ninho de amor.
Ela de capricórnio, ele de touro, um ascendente do outro. Passavam horas à fio montando um bom programa pro final de semana, quando não decidiam nada íam pra casa de sua mãe, que fazia um almoço e reunía a família, onde ela encontrava suas irmãs solteironas e contavam sobre suas viagens extraordinárias, as encrencas e adrenalinas que passavam, as fotos com mais de mil cenários diferentes e eles sempre abraçados, ele mais alto que ela e ela com a mão sobre seu peito. Paris, China, Paquistão, Rio de Janeiro e o bendito do casal lá no meio! Sempre felizes! Com eles não tem tempo ruim, se estão bravos um com o outro se abraçam fortemente pra despejar naquela força sua raiva.
A primeira vez que se viram foi num baile de debutante da sobrinha de Arnaldo, ele estava lá, tão sexy no meio de toda aquela pirralhada, com aquele ar de paizão que despertou o instinto materno de Bárbara. Ele a viu, os dois desfrutaram de um relance mágico, olhares profundos. A beleza dela o magnetizou, ele movido por aquela mágica, encaminha-se até ela e diz:
- Nossa! Você é bárbara!
Ela com um olhar de encantada para com aquele moço que amava crianças diz:
- Prazer sou eu adivinhão...
Ele não entendeu bulhufas, mas nem ligou e continuou hipnotizado por aquela doçura e depois horas de papo entende que seu nome é Bárbara.
Viveram juntos da plenitude de um "Bom dia meu amor" até a casa surpresa que ele montou pra ela, e que um dia, em que ía ser o dia mais feliz de sua vida, um jantar à luz de velas, ele propõe um casamento e ela uma sociedade em que ele entra com a bunda e ela com o pé.

3 comentários:

Nathalia Barbosa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nathalia Barbosa disse...

HUauhhuaaa
adorei!
bem criativo e realista!

bjOo

"Os dispostos se atraem." disse...

Agradeço ao Washington que me deu inspiração pra mais uma dessas... rs
Beijos