segunda-feira, 10 de março de 2014

Como ele é?

Como ele é?
Como é estar lá?
Como é sair com?
Do que ele se alimenta?

Como é o mundo ao seu redor?
Onde vive?
Onde mora?
Anda, me fala...

De onde veio?
O que ele faz?
Sério que é assim?!
Ah, eu também não imagino...

Qual sua comunidade?
De que família ele faz parte?
Qual seu nome científico?
Qual sua ciência?

Não, não to ficando louca
É que eu sempre tive curiosidade
Não, superei já!
Era coisa da idade...

Com um T bem grande pra você

Tédio. Tédio é aquele negócio que começa do nada e termina sem precisar ter começado, porque ele atrapalha... Não! Perdoe-me tédio! O senhor não atrapalha... O senhor perturba. O senhor senta querendo puxar um papo, chega de mansinho, pisando nos ovos. Primeiro é aquele pensamento bobo, inocente... Depois vem voando, abre suas asas enormes e faz dos meus pensamentos suas crianças cativas, é gostoso ficar deitada em teu colo e a perder fio do tempo você me leva embora... Veja? Já somos próximos! Já te chamo de "você", afinal, já decorei cada ponto desse teto, já penteei cada fio de suas longas barbas, já definhei sobre cada etapa de minha vida e estou aqui a me perguntar: porque me prendeste aqui? Não tinha algum detento, mafioso, assassino, inocente para atormentares atrás de outras grades? Quanto tempo eles tem ali? Quanto tempo não lhes resta de vida e porque vem tomares tempo da minha? 
Tudo bem, eu aceito sua visita. Mas vamos ser mais modernos da próxima vez, ah essa vida agitada precisa de hora, de local, de momento, inspiração, química, roupa bonita, confiança e tente não me pegar mais de cabelo sujo. Eu falo com você, te explico cada detalhe das últimas e das velhas histórias, marca comigo depois do almoço, ao levantar enquanto tomo banho, talvez em alguma aula maçante ou antes de dormir. Não! Não me atormente mais antes de dormir, deixe que ao sono eu me entregue. Venha em sonho, se eu não estiver fazendo alguma estripulia a gente conversa.
Acho que pegaste meu lugar na cadeira, porque esse texto está a sua cara.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Eu sempre fui uma pessoa quieta

Uma rocha, quando quero, pareço nem estar no local.
Mas agora parece que isso tem nome de uma doença moderna.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Historinha Rá-tim-bum



Essa foi a minha infância, minha adolescência e é minha "amadurescencia"

Vamo curtir juntinho  :)




video

Recall

Meme meu

Memes velhos, isso mesmo, me-mês

Ai como é bom relembrar esses memês velhos e escrito tudo errado!
Vamos curtir juntos   :)

Alunu


 





 A conta
AUTO-DESIDENTIFICAÇÃO ESPELHADA
 Ilusão de Capgras
 Mel
 Mensa sna
 Mumanos
 Paramnésia reduplicativa

sábado, 1 de dezembro de 2012

Uma porta para Berta

Para Berta há somente uma possibilidade: aquela em que as coisas acontecem. Se elas darão certo ou não, bom, é esperto da parte dela lavar as mãos quanto a isso, não tinha capacidade nenhuma para ser responsável pelo certo ou pelo errado, e quem no mundo tem? 
Berta quer uma solução para seus problemas naquele dia em que não se põe o pé para fora de casa. Ora Berta, e quem não quer a solução das coisas? O mundo te dará problemas e prazeres, quem vai instituir o ponto neutro das coisas é você. Mas quem quer um ponto neutro em plenos 20 anos? Ai Berta... Como você é complicada... O que você quer?
Berta não fala nada, fica olhando meu rosto, procura em sua mente alguma frase famosa de Neruda, de Vinícius, de Bandeira, algo impactante! Que a salvasse! Que mostrasse ao mundo que ela não é boba, que ela sabe o que ela quer e que é capaz de embasbacar qualquer um! Mas naquele momento, ela se sentia um original peso para papel:

- Uma coisa eu te afirmo, outro dia como o de hoje, é o que eu não quero.