domingo, 15 de novembro de 2009

Onde?


Tava aqui pensando nessa vida como é que tá.
As pessoas querem um carro
E até mesmo um apartamento no Guarujá.
Querem festas, metas, multidões,
Um amor lá no fim dos quarteirões.
E agora a humildade, onde fica?
A cumplicidade, a amizade, o perdão?
A liberdade de dizer o que pensa e não ficar na mão?
O abraço dado, as palavras ditas, o senso de humor?
O silêncio, os risos, os passeios pela rua, pela lua?
Um alto-falante bem gigante era o que eu queria agora.
Pra dizer pra essa gente, que o que fere de repente,
Não é um tapa, um beliscão.
Mas sim o grande ego, a febre pelo mundo, os pés que não estão no chão.
São Longuinho, onde foi parar a via certa, a rua reta dessa contra mão de curvas?
Onde?

Nathalia

4 comentários:

=M A D= disse...

stop me stop me! i'll change look for a never never, became, become and because every things is the same!

=M A D= disse...

adorei

Eric Bustamante disse...

Após aquecer a minha máquina de pensar cheguei a uma única conclusão: As pessoas não têm nada melhor para querer. Elas querem tudo aquilo que lhes é mostrado pela mídia e nada mais. Não se fala de amor perfeito, abraço e essas coisas na televisão. Só se vê propagandas maravilhosas de produtos extraordinários, notícias de desgraças e programas com apologia às traições. Tem um grande pensador que não me recordo o nome, que disse que “o morro era muito mais feliz antes da televisão”. Isso mesmo... O pobre não sabia que era pobre nem triste antes de alguém lhe contar. Eu, que não sou bobo nem nada, reduzi drasticamente a minha exposição à TV. Acho que é por isso que tenho andado querendo outras cousas... Parabéns pelo blog. Rsrs. Sua máquina de pensar é Dual Core (tem duas cabecinhas pensando ao mesmo tempo).

Nathalia Barbosa disse...

E as pessoas colocam a culpa na televisão, onde na verdade a culpa é de quem a constrói e de quem a nutre. Rs obrigada pelo comentário Eric!